Sofri um golpe na internet como resolvo essa situação?

hack, fraud, card-3671982.jpg

Cair em um Golpe é normal

Os golpes estão cada vez mais elaborados e são aplicados sempre em momentos
oportunos. As vítimas, por sua vez, muitas vezes não estão atentas ou não têm tempo para refletir e acabam caindo nas fraudes. Por isso, não há nada mais comum do que sofrer um golpe.

O primeiro passo para a vítima é tomar as medidas de remediação necessária para o golpe específico. Por exemplo, a vítima pode avisar o Whatsapp de que a sua conta foi clonada, ligar para o banco  pedindo o cancelamento do cartão de crédito, etc..

Além das medidas específicas, a vítima pode buscar responsabilizar civil
e criminalmente os criminosos. Como este blog foca no crimes virtuais, iremos
nos ater a essa questão no presente post.

Lavratura de Boletim de Ocorrência

É sempre recomendável dirigir-se à delegacia para a lavratura de um Boletim de Ocorrência. O Boletim de Ocorrência alerta a polícia sobre a ocorrência de um crime.

Além disso, o Boletim de Ocorrência auxilia a resguardar a vítima de eventuais crime praticados a partir da suas contas de redes sociais ou do seu número de telefone. Isso porque, quando há roubo de informações ou invasão de contas, os invasores podem se utilizar das informações vazadas ou das contas hackeadas para a prática de crimes contra outras vítimas. O Boletim de Ocorrência pode auxiliar a vítima a demonstrar que não teve participação nos crimes.

Importante frisar que é recomendável que, independente da inocência, que a pessoa intimada para comparecer na delegacia contrate um(a) advogado(a). Esse profissional poderá analisar o inquérito policial previamente e realizar o acompanhamento na oitiva.

Em São Paulo, o Boletim de Ocorrência pode ser lavrado online.

Em casos específicos, outras medidas também podem ser recomendadas, especialmente em casos envolvendo pessoas jurídicas. Por isso, a recomendação é sempre consultar com um(a) advogado(a) de confiança.

Devo contratar um(a) Advogado(a) no Inquérito Policial?

A depender do caso, a Polícia não irá investigar o crime só com o Boletim de Ocorrência. Muitos crimes dependem de representação da vítima, que deve ser feita no prazo de 6 meses. Ou seja, após a lavratura do Boletim de Ocorrência, a vítima deve ir na delegacia informar que deseja que o crime seja investigado.

Mesmo com a representação da vítima, nem sempre as investigações conduzidas exclusivamente chegam aos autores do crime. Um problema é que os crimes cibernéticos são muito complexos e dependem da coleta de informações online, muitas vezes com dados de redes sociais da vítima ou de outras informações privadas, o que pode dificultar o trabalho da polícia.

Um(a) advogado(a) criminalista com conhecimento específico na área de cibercrimes poderá conduzir uma investigação defensiva para auxiliar a vítima com a coleta de informações para pedir a instauração do inquérito policial. Essa coleta pode envolver dados privados da vítima que não são facilmente acessíveis à Polícia bem como dados público de inteligência de Código Aberto (OSINT).

O(a) advogado(a) também poderá auxiliar na coleta desses dados com respeito à cadeia de custódia, para que possam ser utilizados posteriormente no judiciário (prints não são suficientes, veja aqui)

Esse profissional também poderá realizar a intermediação com a Delegacia de Polícia, por meio da redação de petição com explicações sobre a forma de agir dos autores dos crimes, quais foram as provas coletadas e, eventualmente, com sugestões de diligências para descobrir quem são os autores dos crimes virtuais.

Conclusão

Com o crescimento da criminalidade virtual, muitas pessoas acabam sendo vítimas de golpes virtuais. O mais importante é buscar remediar a situação e se resguardar de eventuais problemas que possam surgir pelo uso indevido das informações e de contas de redes sociais.

Vítimas que desejam que o caso seja investigado podem optar pela contratação de advogado(a) com conhecimento profundo em crimes cibernéticos para trabalhar em conjunto com a Polícia e a Justiça para descobrir os autores do crime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *