Saiba como provar que você não enviou aquele e-mail

Como advogada criminalista, com certa frequência vejo situações em que o cliente afirma que determinada pessoa recebeu um e-mail supostamente dele, mas que ele nega ter enviado. Isso ocorre com muita frequência em empresas, especialmente em negociações com clientes e fornecedores.

Em alguns casos, uma empresa apresenta um e-mail recebido do cliente, no qual o cliente assume alguma responsabilidade ou propõe determinado preço. O cliente, por sua vez, afirma que não enviou o referido e-mail.

Essa situação, infelizmente é muito comum. Inclusive já escrevemos sobre esse golpe específico confira aqui!

Neste artigo, explicamos um pouco sobre como essas situações podem ocorrer. Aproveitamos, também, para indicar algumas medidas de investigação para auxiliar as empresas nesse momento. É importante frisar que esses casos são repletos de peculiaridades. Portanto, apenas um(a) advogado(a) de confiança poderá traçar uma estratégia para atuar no caso.

Qual é a origem desse e-mail?

Normalmente, esses e-mails podem ter três origens:

  • Fabricação do destinatário
  • Phishing
  • E-mails partiram da sua caixa de correio

Abaixo explicamos brevemente essas situações:

O e-mail foi fabricado pelo destinatário

Uma situação muito deplorável é de o destinatário ter manipulado o e-mail. Assim, por meio de edição simples, escreve no e-mail algo que não estava escrito no e-mail original. Após, o falsário utiliza o e-mail editado como prova. Essa é a forma mais simples de falsificação de e-mail. Há, também, outras formas menos rudimentares de manipulação.

Essa manipulação de e-mails pode ser considerada criminosa, especialmente crime de falsidade ideológica. Nesses casos, um(a) advogado(a) criminalista com ampla experiência em crimes cibernéticos poderá auxiliar na produção de prova para confirmar que o e-mail foi modificado e traçar uma estratégia de como agir.

O e-mail é de phishing

Os e-mails de phishing são aqueles enviados por um terceiro, simulando o e-mail do cliente. Normalmente, o hacker manda um e-mail e altera o campo de e-mail e de nome do remetente para parecer que o e-mail foi enviado por outra pessoa. Servidores com frequência identificam isso de pronto como malicioso.

Normalmente, esses e-mails são enviados com arquivos ou links com o objetivo de infectar outros computadores ou de obter dados. Assim, nem sempre esses e-mails estão necessariamente relacionados a alguma vulnerabilidade do sistema.

De qualquer forma, se houver indícios de que o e-mail advém de phishing é importante realizar uma análise para verificar se os hackers invadiram algum e-mail ou exploraram vulnerabilidades do sistema.

E-mails partiram da sua caixa de correio

Por último, é possível que o e-mail tenha partido do seu e-mail corporativo. Se o funcionário remetente não reconhecer o e-mail, é importante fazer uma análise no sistema para verificar as vulnerabilidades. Além disso, é recomendável procurar detalhes no servidor para descobrir quem enviou o e-mail.  No artigo “Como descobrir quem hackeou o e-mail da minha empresa” entramos em mais detalhes para identificar hackers.

O que fazer?

A situação é muito delicada e depende de cada caso. A depender do tipo de fraude a recomendação para atuação pode ser distinta. Então, recomenda-se a contratação de um(a) advogado(a) criminalista com amplo conhecimento em crimes digitais para traçar a estratégia de como proceder.

Algumas das medidas que podem ser sugeridas são:

  •  a solicitação do e-mail original do cliente
  • a realização de uma perícia com profissional especializado nos e-mails para confirmar a origem
  • solicitação de logs de e-mails do servidor de e-mail
  • solicitação à outra parte de manutenção do e-mail em sua forma original no servidor

De qualquer forma, caberá a(o) advogado(a) de sua confiança definir qual estratégia seguir, quais análises devem ser feitas, bem como quais provas devem ser preservadas e como.

Confira 7 motivos pelos quais vítimas contratam advogados criminalistas.

O escritório Molina Pinheiro advogados, mantenedor do blog Cibercrimes, é especializado em advocacia criminal. O contato pode ser feito por meio do Telefone ou Whatsapp (11) 3042-7028 e pelo e-mail contato@molinapinheiro.adv.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *