Fique atento: 5 sinais de uma loja online fake

Muitas vezes nós optamos por comprar em sites fora de grandes portais. Os motivos podem ser diversos, como prestigiar um comerciante de menor porte ou aproveitar uma promoção.

De qualquer forma, é importante estar atento para não sofrer golpe ao realizar a compra. Em um post anterior, elencamos os diversos indícios de que um anúncio no Facebook possa ser falso (Descubra aqui 4 indícios de que um post é falso no Facebook). Aproveitamos para fazer uma análise do site ligado àquele post para verificar se há indícios de que seja fraudulento.

É importante frisar que não estamos afirmando que se trata de golpe. Estamos apenas nos utilizando do site em questão como exemplo. Inclusive, é por isso que não mostramos o nome do site.

Este é o site:

Foto do site analisado

O que olhar?

Dados do domínio do site escondidos

Muitas pessoas que se utilizam de golpes não usam domínio com final “.com.br”. O motivo é porque o site que registra domínios no Brasil é o “registro.br”. Para o registro do domínio, é necessário apresentar CPF/CNPJ e realizar o pagamento, que passa pelo Brasil. Apesar de ser possível preencher os dados fraudulentos nesse site, é muito mais fácil comprar um domínio estrangeiro. Assim, fica mais difícil para as autoridades Brasileiras obterem as informações de quem é o proprietário.

No nosso caso, trata-se de site com domínio “.com”. Todos os sites possuem informações públicas sobre os seus proprietários. No Brasil, as informações estão disponíveis no site registro.br e, no exterior, podem ser consultadas em diversos sites como who.is.

Fizemos a pesquisa do domínio no site who.is e obtivemos as seguintes informações:

Dados do domínio do site analisado

Em análise, vemos que o proprietário do site se utilizou do site privacyprotect.org para esconder os seus dados de registro. Embora não seja ilícito mascarar os dados de registro do site, é um sinal de alerta para o consumidor se um site não apresenta informações de quem é o seu proprietário. Empresas confiáveis costumam deixar as suas informações visíveis, como vemos no exemplo abaixo:

Dados do domínio da Magazine Luiza

Fotos Retiradas da Internet

Fotos de produtos muitas vezes são retiradas de outros sites. Então, uma foto de um produto com um fundo branco não deve gerar suspeitas. O que levanta suspeita são fotos de produtos que parecem ter sido tiradas dentro da loja, mas foram extraídas da internet.

No site em que analisamos, vemos o seguinte anúncio:

Anúncio de uma mulher com bolsa

O anúncio contém várias imagens, entre elas uma foto de uma mulher de casaco de tricô e calça escura. Fizemos uma pesquisa reversa da imagem no Bing para tentar localizar a mulher e encontramos a nossa modelo:

Foto similar de mulher com bolsa com as mesmas características daquela do anúncio.

Em outro site, encontramos a nossa modelo no mesmo cenário, mas com roupas e bolsas distintas:

Várias fotos de mulheres com bolsa com as mesmas características daquela do anúncio.

Nenhum desses sites é brasileiro ou pertence à loja que estamos analisando. Assim, ao que tudo indica, as fotos foram retiradas da internet. Há, portanto, indício de que as fotos não são da própria loja.

O Endereço

Rodapé do site com dados da empresa

De início, é importante apontar que é comum que lojas tenham endereços virtuais ou não apresentem endereços físicos. Naturalmente, preferimos quando há um endereço físico, mas a sua ausência nem sempre é um indício de fraude.

No nosso caso, o endereço da loja é “Avenida XXXXXX 1093 – Sala 701, Luxemburgo – Belo Horizonte”.

Pelo google street view, vemos que o local existe:

Foto do google streetview

Em pesquisas, não encontramos a loja no local, mas encontramos uma empresa de salas comerciais no 7º andar (mesmo andar da nossa loja). Assim, é possível que a loja tenha um endereço virtual.

Imagem do rodapé

Nesse caso, podemos concluir que é possível que a empresa se utilize de um endereço virtual. Também não podemos excluir que a empresa tenha um conjunto comercial no local. De qualquer forma, podemos concluir que a loja não é física.

O CNPJ

No rodapé, vemos que o site afirma pertencer à XXXXXXXXX Ltda que tem o CNPJ XX.XXX.XXX/XXXX-XX

Em pesquisa no site da Receita Federal, vemos que os dados de CNPJ batem com o endereço:

Dados extraídos da receita

O que chama a atenção é que o CNPJ não é de comércio. A atividade é de intermediação e agenciamento de serviços e negócios em geral.

O endereço eletrônico pertence ao domínio de outra empresa: XXXXXXX.com. Em visita a esse domínio, vemos que não é de comércio eletrônico. O site em questão também não aparenta ser um site profissional, uma vez que possui imagens da internet e tem texto genérico. Outro ponto que chama a atenção é que as informações de propriedade do domínio também são protegidas por um site estrangeiro.

Em pesquisa no google do CNPJ, vemos que há reclamação no “Reclame Aqui” referente a Joias que foram compradas em empresa com esse CNPJ e que não foram entregues:

Resultado de pesquisa do google referente a uma loja deferente com o mesmo CNPJ

Assim, temos três sinais de alerta:

  • Há outras pessoas que efetuaram reclamações de compras não recebidas de outras empresas sob o mesmo CNPJ;
  • A atividade econômica da empresa não é de comercio; e
  • O site da empresa principal ligado ao CNPJ que estamos investigando também não trata de comércio eletrônico.

Portanto, temos alguns sinais de alerta relacionados ao CNPJ da empresa. Assim há indícios de que, talvez, não seja o site mais confiável para se fazer compras.

Histórico do Site

Por fim, em uma pesquisa no site wayback machine, conseguimos ver que só há uma captura de imagem dessa loja em 22 de abril de 2021. Ou seja, data muito próxima à data de acesso e de suposto fechamento da loja. Em uma visualização do site de 22 de abril, vemos que há anúncio de fechamento da loja em 27/04. No entanto, na versão atual, o site irá fechar em 26/06:

Site em 22/04:

Imagem do site em 22 de abril de 2021

Site em 07/06:

Imagem do site em 7 de junho de 2021

No site who.is, vemos, também que o site foi registrado em 22 de março de 2021:

Tabela com data de criação do site

Pelo histórico do site, vemos que é algo criado há muito pouco tempo (22 de março de 2021) e que diz que irá fechar em data muito próxima da criação (27 de abril de 2021). Esse histórico muito recente do site, somado o fato de que o site se diz como uma loja que irá fechar em razão da pandemia, causa estranheza e deve servir como alerta ao consumidor.

Conclusão

Embora não seja possível concluir com certeza se o site é fraudulento ou não por uma análise simples, foi possível colher elementos de que talvez não seja confiável. Assim, a recomendação seria não adquirir produtos de um site com essas características, especialmente considerando que esse site está ligado a um anúncio suspeito no Facebook (veja o post aqui).

Comprei e era golpe, o que faço?

Caso tenha adquirido algum produto em um site que tenha essas características, o ideal é sempre confirmar se, de fato, foi uma venda fraudulenta. Realizar uma acusação falsa a uma empresa legítima ou a seus sócios pode ser considerado crime de calúnia ou difamação. Portanto, recomendamos cautela.

Neste artigo abordamos um pouco sobre o que fazer quando a vítima cai em um golpe na internet.

Confira 7 motivos pelos quais vítimas contratam advogados criminalistas.

O escritório Molina Pinheiro advogados, mantenedor do blog Cibercrimes, é especializado em advocacia criminal. O contato pode ser feito por meio do Telefone ou Whatsapp (11) 3042-7028 e pelo e-mail contato@molinapinheiro.adv.br.

4 indícios de que uma promoção é falsa no Facebook

Um dos principais golpes no Facebook são promoções falsas. Vítimas frequentemente adquirem produtos que nunca chegam ou, quando chegam, são de péssima qualidade e não podem ser devolvidos. A melhor solução é sempre a prevenção, por meio da checagem de informações do perfil, entre outros dados. No entanto, quando a vítima cai no golpe, ela pode tomar algumas medidas, que discutimos no artigo Sofri um Golpe o que faço agora?.

Hoje vamos analisar uma promoção para verificar se há indícios de que não seja verdadeira. Importante notar que pegamos um post aleatório como exemplo. Não estamos afirmando de que se trata de golpe, ou algo dessa natureza. Apenas estamos apontando a existência de indícios de que possivelmente não seria uma promoção legítima.

O post sob análise:

Posto do Facebook com anúncio de que a loja está fechando. O post contém uma mulher segurando duas bolsas.

A partir desse post, vamos analisar 4 pontos (de vários) que podem indicar que, talvez, a promoção não seja verdadeira.

A data de criação da página:

Escrevemos este post no dia 03 de junho de 2021. Quando entramos na página que criou a oferta, vemos que a data de criação é 31 de maio de 2021:

Imagem que mostra que a página foi criada em 30 de maio de 2021

Um indício de possível golpe é uma promoção de uma página criada há muito pouco tempo. No caso que estamos analisando, o anúncio afirma que a loja está fechando. Se a loja está fechando em 03/06, é estranho que a página tenha sido criada em 30/05 do mesmo ano.

Quantidade de posts:

Na mesma linha que a criação da página, está a quantidade de postagens. Uma página confiável costuma estar há mais tempo no ar e possuir mais postagens da natureza do anúncio. Se uma página possui apenas algumas postagens novas sobre o produto à venda, é possível que seja fraudulenta. No caso em que analisamos, a página possui apenas 2 postagens, sendo que a primeira é datada de 30/05/2021.

Imagem de que a página do facebook só tem duas postagens.

Origem das fotos:

Outro ponto importante que se deve analisar é a origem das fotos. O uso de fotos da internet não é um indício claro de uma loja fraudulenta, uma vez que diversas lojas se utilizam desse tipo de imagem para os seus produtos e posts. No entanto, algumas fotos costumam ser retiradas da internet, como fotos de funcionários e fotos de lojas.

No caso em questão, vemos que eles se utilizam de uma foto de uma loja:

Foto de uma loja de sapados

Ao fazer uma pesquisa no google imagens (pesquisa reversa), vemos que a foto está disponível em outros sites:

Cinco fotos da mesma loja de sapato anterior.

No site webtudo vemos que essa foto aparentemente vem da loja Schutz, que fica em Nova Iorque:

Imagem extraída do site webtudo que tem a foto igual àquela da loja de sapatos.

Assim, ao que parece, a página sob análise utilizou-se de foto de loja da Schultz como se fosse sua.

O texto:

Outro elemento que indica se um post é verdadeiro ou não é a originalidade do texto. Embora muitas pessoas optem por se inspirar em textos da internet, não é prática corriqueira a utilização ipsis literis de texto de outras pessoas em anúncios. Por isso, um indício de um post fraudulento é a utilização de um texto já utilizado em outros posts.

No nosso caso, o anúncio possui o seguinte texto: “Amores, toda essa quarentena nos pegou de jeito, por isso não temos outra alternativa, teremos que fechar nossa loja. Estamos muito tristes com isso, e estamos vendendo nosso estoque de bolsas de luxo com 80% de desconto. Se você gostaria de participar de nossa venda de fechamento, você pode clicar abaixo desta postagem para garantir as últimas bolsas de couro com corte italiano.”

No Facebook, ao fazer a pesquisa por “Amores, toda essa quarentena nos pegou de jeito, por isso não temos outra alternativa, teremos que fechar nossa loja. Estamos muito tristes com isso”, encontramos uma postagem:

Post com texto similar ao post analisado, com o anúncio de fechamento de uma loja de relógios

Encontramos também diversas fotos de pessoas reclamando de que haviam sofrido golpes de lojas que se utilizaram de textos similares:

Há dois motivos de termos encontrado fotos de outros postos e de não ter encontrado os posts originais. O primeiro é que, se os anúncios denunciados eram golpes, podem ter sido retirados da plataforma. Ou outro motivo é que lojas podem fazer um dark post para anunciar. O dark post é um post/anúncio que não aparece no feed. Assim, após ser divulgado, é difícil encontrá-lo (mas se você interagiu com ele, pode encontrar em seu histórico de anúncios).

Conclusão

A anúncio que analisamos possui diversos indícios de que se trata de um anúncio fraudulento. Embora não se possa realizar uma conclusão, por precaução não é recomendável que se adquira produtos de um anunciante com características similares ao analisado.

Nós também realizamos uma análise do site vinculado ao anúncio (artigo aqui) para demonstrar os indícios de que se trata de site fraudulento.

Comprei e era golpe, o que faço?

Caso tenha adquirido em um site similar, o ideal é se certificar de que, de fato, se trata de um golpe. Fazer falsas acusações a uma empresa legítima pode configurar crime de calúnia ou difamação, por isso é importante agir com cautela.

No entanto, configurado o golpe, a vítima pode tomar diversas atitudes como entrar em contato com o cartão de crédito, para tentar impedir a transação, procurar outras vítimas para confirmar que, de fato, trata-se de golpe e realizar o boletim de ocorrência online (veja também o artigo Sofri um golpe na internet como resolvo essa situação?)

Os casos de golpe dessa natureza costumam ser classificados como estelionato praticado por meio virtual e só são investigados se a vítima realizar uma representação. Ou seja, ir à delegacia, no prazo de 6 meses, e informar que deseja que o crime seja investigado.

Dada a complexidade de crimes cibernéticos e a facilidade com que informações da internet possam ser deletadas, é possível que a polícia precise de auxílio na obtenção das informações para realizar a investigação. Por isso, é recomendável fornecer à polícia documentos que comprovem a ocorrência do crime e que possam levar aos autores (neste artigo discutimos um pouco sobre a validade de provas digitais)

Embora seja mais custoso do que o valor perdido no golpe, é recomendável que vítimas que queiram investigar os autores do crime contratem um(a) advogado(a) que tenha expertise em crimes virtuais, uma vez que esse profissional poderá auxiliar na comunicação com a polícia, auxiliar na obtenção das provas necessárias para a investigação e fazer sugestões para a investigação.

Confira 7 motivos pelos quais vítimas contratam Advogados Criminalistas

O escritório Molina Pinheiro advogados, mantenedor do blog Cibercrimes, é especializado em advocacia criminal. O contato pode ser feito por meio do Telefone ou Whatsapp (11) 3042-7028 e pelo e-mail contato@molinapinheiro.adv.br.